Gatinha

Final de Outubro, eu e meu noivo estávamos conversando sobre adotar um bichinho. Eu tenho dois cachorros no Rio de Janeiro, que vamos trazer pra cá em Junho, e como eu sempre tive bicho de estimação estava sentindo falta. 

Moramos em uma casa de dois andares, no primeiro andar é o nosso apartamento de um quarto com um pátio nos fundos e no segundo andar um apartamento de dois quartos. Por conta dos vizinhos de cima resolvemos que não adotaríamos um cachorro, pois na época nós passávamos a maior parte do dia fora de casa e seria difícil pra adaptação do cachorrinho. 

Com isso optamos por um gato, mas eu não gosto de gato, nunca tive gato e nem afinidade com os gatos dos amigos. Mas, gosto de animais e como o Mike estava super animado de ter um gatinho eu não disse que não.

Após procurarmos na internet lugares pra adotar um gatinho, uma amiga recomendou que eu fosse visitar uma pet shop que sempre tem gatos para adoção. Aqui adoção é coisa séria, você vai conhece o bichinho e preenche um formulário com perguntas sobre sua casa, moradores da casa e até sobre sua situação finaceira pra saber se você dispõe de dinheiro suficiente pra cobrir os gastos de ter um pet em casa.

Enfim, fomos na pet shop.. Eu tinha visto um gatinho pra adoção no instagram deles e então fomos lá pra preencher o formulário. Quando chegamos o gatinho estava numa jaulinha dormindo e nos falaram que alguém mais cedo tinha preenchido o formulário de adoção pra ele. Ficamos chateados, foi quando nos apresentaram a Charlie. 

Charlie foi encontrada na rua enrolada em uma toalha com dias de vida, ela estava na jaulinha de baixo com uma toalha em cima. Quando removeram a toalha tinha um bilhete "Do not touch or grab me. I'm a very nervous kitty." - Não encoste ou me pegue. Eu sou uma gatinha bem nervosa. Pois é, eu que nunca tive afinidade com gatos não gostei nada do li, mas o Mike disse pra aplicarmos pra adotar ela.

Enquanto preenchia o formulário a menina que trabalha na pet shot nos contou um pouco mais sobre a Charlie. Após ser encontrada em uma rua do Brooklyn com dias de vida, ela foi levada para a casa de uma das funcionárias da pet shop, era tão pequena que tiveram que dar leite na mamadeira pra ela e por isso virou mascote da pet shop. Levavam ela pra lá todos os dias, quando ela já estava pronta pra adoção conseguiram um lar pra ela... Infelizmente alguns dias depois a devolveram, pois ela era arisca demais e então voltou para a loja.

Uma semana depois conseguiram uma Foster Home, aqui é como se fosse um lar temporário, a instituição responsável pela a adoção paga pelas dispesas e você toma conta do bichinho na sua casa. Esse programa existe inclusive para crianças aqui. Poucos dias após ir para o seu lar temporário Charlie foi devolvida novamente por ser agitada demais para um gato. Um tempo depois outra pessoa a adotou, porém não passou mais que uma semana com ela. Charlie é uma gata diferente, tem uma energia inacabável, gosta de brincar e não gosta muito de carinhos, e como as pessoas esperam sempre que gatos sejam calmos e passem o dia dormindo, ela não atendia as expectativas.

Após ouvir todas as histórias sobre aquela gatinha que com apenas 5 meses já tinha vivido em tantos lugares diferentes, fiquei comovida e decidi que mudaria a vida daquela pequena que estava vivendo em uma jaulinha, nervosa, vendo gente entrar e sair da loja o dia inteiro.

Finalizamos o formulário, demos tchau pra Charlie e voltamos pra casa. Estávamos tão animados que entramos na internet e compramos cama, brinquedos, caixa de areia, uma semana depois tínhamos tudo pra um gato, mas não tínhamos um gato. Então liguei pra saber e me informaram que a menina responsável pela Charlie estava fora da cidade, mas que ligariam pra ela pedindo que ela me desse uma posição.

No fim do dia recebi a tão esperada ligação... Me fizeram várias perguntas, dizendo que Charlie era muito arisca e que não queriam arriscar um novo lar que não pudesse acomodá-la, eu disse que não teríamos problema, somos todos muito agitados nessa casa, então Charlie não estaria sozinha hahaha... Ela disse que ia conversar com uma outra pessoa e me retornava. Dois dias depois recebi uma mensagem dizendo que fomos aprovados para adotar a nervosa Charlie. Marcaram de trazê-la no sábado, aqui eles trazem na sua casa pra ver o espeço, ver se o bicho vai se sentir confortável... Enfim, ela chegou e foi logo explorando todos os cantos da casa, olhando seus brinquedos e encantada por ter tanto espaço pra andar, mas não deixava a gente encostar nela.

Foram duas semanas difíceis, ela passava o dia me atacando, pulando na minha perna pra me morder, ou no meu braço quando estava sentada, só se acalmava na hora de comer. No começo dormia na mesma hora que a gente e nos acordava às 5 da manhã. Foi difícil, só me lembrava da menina dizendo que se eu tivesse qualquer problema poderia ligar pra ela, que ela viria buscá-la. Eu não queria devolvê-la, por mais que ela fosse chata, Mike estava apaixonado por ela, Charlie é seu primeiro bicho de estimação. E no fundo eu queria fazer com que ela se sentisse segura e feliz.

Os dias passaram e ela foi ficando cada vez mais doce, ela ainda não gosta das pessoas, ataca todo mundo, morde, mas ama a gente. Dorme com a gente, abraça, tira cochilo no nosso colo, dá beijinho.. É uma questão de paciência, assim como nós temos dificuldades, os bichos também tem. Ela é um amor comigo e com o Mike, brinca, perturba, mas quando ema mia atrás da gente pra pegar ela no colo ou só pra ficar deitada conosco chega a dar vontade de chorar! 

Hoje, quase 4 meses após adotarmos Charlie, ela tem sua própria conta no Instagram @purrfectshot com quase 1,500 seguidores, ganha presentes de pet shops perto da gente e faz visitas constantes na Bushwick Bark, loja onde morou.

Ter um bichinho dá trabalho, mas é um amor que compensa qualquer dificuldade!

DICAS BARBARAS

Hoje em dia é muito fácil encontrar um site que faça entrega automática, isso ajuda a não esquecer a comida no seu gatinho, sua areia. Aqui nós assinamos no Chewy e eles entregam a cada 45 dias a comida da Charlie e um saco grande da sua areia. Outra dica legal pra quem está pensando em adotar um gato é comprar uma fonte de água, gatos gostam de água fresca e corrente! Ahhh e muito brinquedo, aqueles ratinhos pequenos são ótimos pra eles esconderem, e isso também faz com que eles não tragam insetos indesejados pra sua cama. Quando você tem os brinquedos pequenos, os gatos costumam escondê-los e quando estão felizes trazem pra você como presente.