O que não dizer à uma Mãe Expatriada

“Que bacana morar fora hein? Que desafio, nunca conseguiria fazer isso SOU MUITO APEGADA À MINHA FAMÍLIA”

Se você mora fora do Brasil, tenho certeza de que já ouviu essa frase. Essa expressão que automaticamente te qualifica como desapegada das suas raízes ou famílias. Eu escuto com bastante frequência, mais do que eu gostaria e deixa eu te falar uma coisa? Nunca foi fácil receber essa.

Claro que é ruim estarmos longe dos nossos pais, mas o lado ruim de ser uma mãe expatriada é ter nossos filhos longe dos avós. Não nos diga, ainda que sem querer, que somos desgarradas. Morar fora de casa é bittersweet.

Assim como saudade esta para o Português, bittersweet esta para o Inglês. Uma expressão que não consigo traduzir com precisão, mas que define bem meu sentimento de estar fora, num mesmo dia nós, as expatriadas passamos por uma montanha russa de sentimentos.

Em um momento estamos falando com nossos pais por vídeo, contando as novidades, mostrando as gracinhas que nossos filhos estão fazendo, contando do cheirinho da cabeça deles, do peso, da altura e perguntando pra mãe o que fazer em tal situação.

Entre risadas, piadas, fofuras e o que mais acontecer nessa ligação, nossos olhos passeiam pela casa dos nossos pais, timidamente ao fundo. Vamos vendo aquele adorno que sempre esteve na prateleira, o café recém passado esperando na mesa, os sons ao redor. Desejamos que nossos filhos pudessem estar ali explorando cada cantinho, sentindo o calor dos abraços que não estão tendo, os passeios que não estão fazendo, as farras de final de semana que não existem. Ser mãe expatriada não é fácil.

Olhamos para nossos pais e vemos que, diferente do que gostaríamos, o tempo não congela no Brasil. Algumas ruguinhas a mais, um cabelinho branco ali, os dias que passam para nós, também passam para eles. Será que precisam de ajuda em alguma coisa?  Será que está realmente tudo bem? Não tem como não desligar o telefone e sentir um misto de saudade, tristeza e dor no coração. Ser filha expatriada não é fácil.

Aí desligamos a ligação, afinal os dias são cheios. Volto para a nossa rotina, escola, médico, passeios. Resolvo a minha vida de transporte público, levo meu filho no carrinho para todos os lugares, acessibilidade em quase todos os espaços e quando não, sempre recebo ajuda. Ufa, valeu a pena ter feito essa mudança de país. Frequento uma clínica muito boa, adoro nosso medico de família, mantenho contato com nossas midwives e esse sistema de saúde incrível e público. Que bom que tive a oportunidade de vir. Encontro com minhas vizinhas em centros comunitários com atividades voltadas para nossos babies, tudo limpo organizado e gratuito. Que bom que estou aqui. Vejo um lugar lindo para tirar foto do meu filho, posso parar tirar o celular e compartilhar aquele momento no grupinho da família sem medo de ser assaltada. Poxa, como vale à pena.

Bittersweet é isso, é ter a certeza de que tomou a decisão certa para seus filhos ao mesmo tempo de que não sabe se tomou a decisão certa para sua família. Não é fácil ser mãe expatriada, não é fácil ser filha expatriada. A decisão de criar um filho fora nos faz encarar novos sentimentos e sensações diariamente e, te garanto, que nenhuma delas é o desapego.

Se você é mãe fora do Brasil não esteja sozinha, busque ter uma rede de apoio. Pode ser que a solidão bata à sua porta num dia em que você esteja passeando pelo seu feed do Instagram e sentindo falta da sua família, da sua rotina antiga ou dos seus amigos. A maternidade expat pode ser sim muito solitária, mas isso não significa obrigatoriamente tenha que ser assim.

Esteja acompanhada de pessoas que te enriquecem, crie sua rede de relacionamentos e de apoio. Brasileiras ou não, da sua cidade ou virtuais, inclusive sinta-se livre para me mandar uma mensagem caso queira. Estamos aqui, juntas, vivendo nossos altos e baixos.

Screen Shot 2018-10-28 at 9.57.34 PM.png

Amanda Hillerman - @amandahillerman

Oi, sou a Amanda, moro em Toronto com meu marido, nosso filho, nosso pequeno canadense e nossos bichinhos. No Brasil era arquiteta aqui sou full time mom por escolha, foi uma grande mudança sair de pais e pisar no freio da minha rotina sempre acelerada. Aprendo diariamente e valorizo demais o contato com outras mães, juntas podemos tudo. Bem millennial mom, leio de tudo, questiono tudo, criei um instagram pro meu filho e sou viciada em café, filmes, séries e tudo mais!